Íntegra do discurso de inauguração proferido em 2006 pelo então Diretor do Foro, Frederico Azevedo
        "No palácio dos antigos xoguns japoneses para se chegar ao salão principal passava-se por um corredor cujo assoalho a mais leve pressão dos pés respondia com uma doce nota que imitava o canto dos rouxinóis. Os passos que nos fazem avançar na vida apontam notas doces ou tristes, que trazem sempre as lembranças, fazendo com que a cada dia o caminho atrás se torne mais longo do que aquele que ainda nos resta.
       A mesma coisa ocorre com as instituições. O passado de nossa Justiça Federal é curto, mas sem dúvida seus momentos são importantes e devem ser lembradosHanah Arendt já disse que 'Não se pode dizer como a vida é, como a sorte ou o destino trata as pessoas, a não ser contando a história'. Com este espírito nasce este espaço. Preservar os momentos de uma ainda jovem instituição, a Justiça Federal em Pernambuco.
        Guardamos então os principais destaques de nossadiscruso_inauguracao seção judiciária na imprensa durante os anos, fizemos um site próprio e dedicado ao Espaço Memória com os nomes de todos os servidores e juízes, mencionamos processos que remetem ao inicio de nossa historia, mostramos de modo criativo as instâncias da justiça. Uma equipe sonhou este momento, duas pessoas em especial a historiadora Mônica Aguiar e o museólogo Albino Oliveira o puseram em prática. Sem dúvida, não estaríamos aqui sem o apoio incondicional da CEF. Ao Alex, ao João Carlos e ao Ricardo Siqueira e todos da Caixa o nosso obrigado. Aos que por anos buscaram preservar a história de nossa instituição este momento é dedicado.
        Como diz Noberto Bobbio 'se o mundo do futuro se abre para a imaginação, mas não nos pertence mais, o mundo do passado é aquele no qual, recorrendo a nossas lembranças, podemos buscar refúgio dentro de nós mesmos, debruçar-se sobre nós mesmos e nele reconstruir nossa identidade.'"